quinta-feira, 31 de maio de 2018

Ministro Gilmar Mendes Tem Soltado Corruptos Poderosos. Ele pode sofrer impeachment por isso???



O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu soltar
novamente o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, apontado como operador
do PSDB, segundo apurou Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do
Grupo Estado. Ele foi preso mais uma vez nesta quarta-feira, 30, por determinação
da 5ª Vara Federal de São Paulo.
 A decisão judicial que mandou prender Souza afirmava que sua volta à cadeia era
necessária para “assegurar a instrução criminal” do processo em que ele é acusado
pelo desvio de recursos de R$ 7,7 milhões da Dersa, entre 2009 e 2011 (governos
José Serra e Geraldo Alckmin).

Ele havia sido preso, no âmbito do mesmo processo, em 6 de abril, mas foi solto por
Gilmar no início de maio. Na ocasião, o ministro afirmou que a prisão preventiva de
Souza não estava amparada em “fatos”.

Segundo a defesa de Souza, o novo decreto prisional ignora as limitações legais da
prisão preventiva e afronta a decisão de Gilmar, não tendo ficado provado as
supostas ameaças a testemunhas relatadas na decisão judicial da 5ª Vara Federal
de São Paulo
É possível que ele sofra um impeachment?
A resposta é: sim!
A explicação é simples, a Lei 1.079/50, a famosa Lei do Impeachment, que define os crimes de responsabilidade, seu processo de julgamento, as autoridades que podem ser processadas, e quem pode denunciar, mostra no seu Art , que ministros do STF podem ser processados e condenados por crime de responsabilidade, pelo Senado Federal.
Art. 2º Os crimes definidos nesta lei, ainda quando simplesmente tentados, são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, imposta pelo Senado Federal nos processos contra o Presidente da República ou Ministros de Estado, contra os Ministros do Supremo Tribunal Federal ou contra o Procurador Geral da República.
Também no Art 52 de nossa Constituição Federal já tínhamos essa possibilidade.
Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:
II processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade.
Seguindo, na Lei 1.079/50 no seu Art 39 é definido quais são esses crimes de responsabilidade:
Art 39. São crimes de responsabilidade dos Ministros do Supremo Tribunal Federal:
1- altera, por qualquer forma, exceto por via de recurso, a decisão ou voto já proferido em sessão do Tribunal;
2 – proferir julgamento, quando, por lei, seja suspeito na causa;
3 – exercer atividade político-partidária;
4 – ser patentemente desidioso no cumprimento dos deveres do cargo;
5 – proceder de modo incompatível com a honra dignidade e decoro de suas funções.
E quem pode denunciar, caso haja indícios da prática de algum desses crimes?
Qualquer cidadão pode fazer a denúncia, eu, vocês, seus vizinhos, nada nos impede, caso tenhamos provas da prática de alguma atitude delitiva, por parte de algum ministro, conforme o Art. 41 da mesma Lei do Impeachment.
Art. 41. É permitido a todo cidadão denunciar perante o Senado Federal, os Ministros do Supremo Tribunal Federal e o Procurador Geral da República, pelos crimes de responsabilidade que cometerem.
Então fica claro que seguindo os ritos legais, definidos pela Lei 1079/50, os ministros de nossa Suprema Corte podem sofrer um impeachment. É notório que não é simples, devido ao processo prolixo, apesar de necessário para garantir os princípios constitucionais do devido processo legal, do contraditório e ampla defesa.
Concluindo:
É possível e devemos todos, como operadores e amantes do direito, e principalmente como cidadãos preocupados com o futuro do nosso país, observar o que se desdobra nas delações, não podemos permitir que ninguém suje a imagem do judiciário.

0 comentários:

Postar um comentário