quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Hospital São Lourenço começará a realizar cirurgias bariátricas

(esquerda para direita): dr. José Roberto Constantino e dr. Rodrigo Marques



Para oferecer procedimentos de alta complexidade realizados, anteriormente, apenas em grandes centros, o Hospital São Lourenço instituiu um novo e importante serviço: a cirurgia bariátrica (redução de estômago), inicialmente de maneira particular (e, futuramente, por convênios/planos de saúde). Dos pacientes já avaliados pelo cirurgião bariátrico dr. Rodrigo Marques (que realiza o procedimento há muitos anos em Belo Horizonte), oito receberam indicação para a cirurgia - estando, agora, na fase preparatória. O Hospital procura o menor custo final possível do procedimento ao paciente. Assim, será possível oferecer, aos dois primeiros operados, um desconto de 35% a 40% no valor total da cirurgia. Isto porque a empresa Suprimed (fornecedora de materiais cirúrgicos) doou dois kits de grampeadores laparoscópicos, usados especificamente em cirurgias bariátricas. “Nosso objetivo é oferecer total segurança ao paciente, além de procurar, ao máximo, ajustar as despesas com a cirurgia à capacidade de pagamento dele”, explicou o dr. José Roberto Constantino, cirurgião e coloproctologista do recém-criado Núcleo Avançado de Videocirurgia e Endoscopia Digestiva (NAVE), em parceria com o Hospital.
Já foram iniciados contatos para, futuramente, realizar as cirurgias pelo Sistema Único de Saúde (SUS) - mas isto deve levar um tempo maior do que o desejado, devido aos prazos de tramitação exigidos junto ao Ministério da Saúde. Além da tradicional cirurgia aberta (com corte do abdômen), há o procedimento feito por videolaparoscopia, que popularmente se conhece por laser (com um custo maior). No Hospital São Lourenço é possível oferecer as duas técnicas (aberta e por vídeo), no mais alto padrão de qualidade e segurança. “Poucas instituições no país são credenciadas a fazer a cirurgia pelo SUS, embora o número de pessoas que necessitem seja muito grande”, afirmou Rodrigo Marques. Segundo ele, a obesidade é um problema mundial de saúde pública e, nos últimos anos, vem aumentando muito a porcentagem de obesos no Brasil, inclusive crianças. “Para quem não consegue controlar a obesidade com tratamentos clínicos e não havendo medicamentos que consigam resultados no controle da doença, a cirurgia é o recurso mais eficaz”, explicou o cirurgião.

Balão intragástrico - Como alternativa à cirurgia bariátrica, o Hospital oferecerá mais um serviço inovador: o balão intragástrico (BIG). De acordo com a dra. Caroline Coutinho (também cirurgiã, endoscopista do NAVE e que será responsável pelo procedimento), o BIG é indicado para pacientes que podem reduzir a obesidade sem precisar da cirurgia. “Após uma avaliação e indicação, o BIG consiste na introdução, através de endoscopia, de um balão de silicone no estômago do paciente, preenchendo cerca de 50% da cavidade gástrica. Consequentemente, há diminuição do apetite, além de maior sensação de saciedade. Para ser bem sucedido, o tratamento deve, obrigatoriamente, estar associado à reeducação alimentar do paciente”, esclareceu a médica. Para marcar uma avaliação com os drs. Rodrigo e Caroline, além de outras informações, ligue para a Medclin: (35) 3332-6444.

0 comentários:

Postar um comentário