domingo, 14 de junho de 2015

Primeira igreja de Nhá Chica celebra 120 anos de morte da beata

No dia 4 de maio de 2013, Francisca de Paula de Jesus, ou simplesmente Nhá Chica, era beatificada em Baependi (MG). Mas a fé que acompanha aqueles que a consideram sua intercessora começa muito antes de seu reconhecimento pela Igreja Católica. Em Alagoa (MG), um homem ergueu a primeira igreja em homenagem à beata para agradecer pela cura de um câncer, e neste domingo (14), as duas cidades realizam celebrações especiais pelos 120 anos de morte de Nhá Chica.
No final dos anos 1950, seu Israel Mendes Trevas foi até São Lourenço (MG) para consultar um médico. Ele estava com um caroço no braço e precisava descobrir o que era. Foi quando o médico o informou que ele deveria estar com um câncer, e precisaria tirar o tumor e fazer a biópsia para descobrir a gravidade do problema.
Na volta da cidade, seu Israel se viu na encruzilhada que levava para Baependi. Com medo do que ia acontecer e da falta de certeza para a cura, seu Israel entrou, foi até a igreja elevada pela beata e pediu à Nhá Chica que o curasse. “Algum tempo depois, que não me lembro agora de memória, o caroço foi vazando, vazando e ficou retinho”, conta a filha dele, Lucília Mendes Maciel Pereira, hoje com 63 anos. Seu Israel estava curado.
Um tempo depois, ele teve um sonho. Nhá Chica aparecia pra ele sentada em uma pedra na zona rural de Alagoa. Ao fazer o caminho que se lembrava ter visto em sonho, seu Israel achou exatamente a pedra onde a beata apareceu sentada. E da pedra, veio a primeira igreja construída para Nhá Chica, em agradecimento à cura por sua intercessão.
  •  
Nhá Chica (Foto: Arquivo Paróquia Rosário)Santuário foi construído em Alagoa por devoto após cura de um câncer (Foto: Arquivo Paróquia Rosário)
“Primeiro ele fez um oratório na pedra onde ela foi vista. E desde então, a gente da família e devotos da cidade começamos a rezar no lugar. Depois, todo ano, ele organizava uma festa para arrecadar dinheiro para construir a igreja. E com isso, ele conseguiu comprar um terreno grande e ir construindo o santuário”, continua Lucília.
Todo o projeto, com os anjos na fachada e detalhes diferentes da maioria dos santuários foram feitos de acordo com sonhos que seu Israel tinha com ela. A igreja ficou pronta em 1961.
Ele dizia que, como Nhá Chica passou a vida cuidando dos pobres, ele faria isso também. E ele fez a festa por 41 anos"
Lucília Mendes Maciel Pereira, filha do devoto que ergueu a primeira igreja em homenagem à Nhá Chica, em Alagoa (MG)
Do dinheiro que ele conseguia arrecadar, ele dividia entre um seminário, a Associação Beneficente Nhá Chica, que cuida de crianças órfãs, e a construção da igreja. “Ele dizia que, como Nhá Chica passou a vida cuidando dos pobres, ele faria isso também. E ele fez a festa por 41 anos”, lembra Lucília.
A ‘Mãe dos Pobres’ beata
Seu Israel não viveu dias suficientes pra ver Nhá Chica beata. No dia 13 de março de 2004, ele morreu aos 79 anos. Quis ser enterrado na igreja que construiu, o que não foi permitido até que ela fosse reconhecida como beata. A filha se lembra que o número 14, data de morte de Nhá Chica, sempre o acompanhou. Ele morreu no dia 13 e foi enterrado em 14 de março, dois dias após terminar de pintar a igreja dela para mais uma festa anual.
Nhá Chica (Foto: Arquivo Paróquia Rosário)Devoto de Nhá Chica, seu Israel acabou falecendo
antes da beatificação de Nhá Chica (Foto: Arquivo
Paróquia Rosário)
“O 14 acompanhava ele. Ele pediu em público uma vez que queria ser enterrado aqui, mas o bispo falou que não podia. Muitos anos depois, o padre sonhou que ele queria vir pra cá, aí ele foi conversar com o bispo, que autorizou. Coincidentemente, em 2014 (o 14 de novo), a gente tirou os restos mortais dele no dia 14 e trouxe pra cá no mesmo dia. Ela já era beatificada e a imagem dela acompanhou todo o enterro dele em Alagoa”, lembra Lucília. Atualmente, seu Israel está enterrado atrás do oratório de Nhá Chica.
Mesmo com a morte do devoto fiel da beata, a tradição permanece em Alagoa. Todos os anos é realizada a celebração na data de morte de Nhá Chica, assim como neste domingo, em que se completam 120 anos de ausência da beata neste mundo.
Nhá Chica
Francisca de Paula de Jesus, a Nhá Chica, é a primeira beata negra do país. Leiga, ela não pertencia a nenhuma ordem religiosa. Analfabeta, não lia a bíblia, mas aplicava no dia a dia o amor ao próximo e a caridade, o que a fez ser conhecida como "Mãe dos Pobres". Nhá Chica nasceu em São João Del Rei (MG) mas viveu a maior parte da sua vida em Baependi (MG), onde morreu no dia 14 de junho de 1895. Desde então, os relatos de cura por intercessão de Nhá Chica são vários.
O processo de beatificação começou em 1993, mas foi em 1995 que o processo ganhou um capítulo decisivo. Em julho daquele ano, a professora Ana Lúcia Leite descobriu que tinha um problema congênito no coração. Na véspera de fazer uma cirurgia, ela sentiu uma forte febre e exames posteriores revelaram que o problema havia desaparecido. Ana Lúcia havia rezado a Nhá Chica e considera que foi curada por intermédio dela.
Em 1998, o provável milagre foi enviado ao Vaticano. Em janeiro de 2011, o Papa Bento XVI aprovou as virtudes heróicas da religiosa e designou o título de Venerável a Nhá Chica. Em outubro do mesmo ano, a comissão médica da Congregação das Causas dos Santos do Vaticano aprovou o milagre atribuído a Nhá Chica, concordando que a cura não tem explicação científica. A comissão de cardeais do Vaticano atestou o milagre em junho de 2012 e no mesmo mês, o Papa Bento XVI assinou o decreto de beatificação de Nhá Chica. Ela foi beatificada em cerimônia realizada em Baependi no dia 4 de maio de 2013.
Santuário de Nhá Chica tem programação especial para celebrar 120 anos de morte da beata (Foto: Arquivo Paróquia Rosário)Santuário de Nhá Chica tem programação especial para celebrar 120 anos de morte da beata (Foto: Arquivo Paróquia Rosário)
Confira abaixo a programação especial da Páscoa de Nhá Chica em Baependi e Alagoa.
Em Alagoa
14 de Junho - Dia da Luminosa Discípula do Senhor: Beata Nhá Chica
8h - Missa solene no santuário
10h - Missa solene e batizado no Santuário
12h - Almoço na Praça Nhá Chica (marmitex no valor de R$ 5)
15h - Terço de São Gonçalo em homenagem a Nhá Chica
18h - Missa solene e procissão de Nhá Chica (fiéis devem levar velas)
20h - Bênção da Fogueira de 14 metros em homenagem à Nhá Chica
Em Baependi
14 de Junho - Dia Litúrgico de Nhá Chica
Missas às 7h, 9h, 11h e 15h
Local: Igreja de Nossa Senhora da Conceição (igreja de Nhá Chica)
Procissão a partir das 18h, que sairá da Igreja Matriz de Baependi em direção à igreja de Nhá Chica, onde outra Missa encerra a data festiva.

Fonte G1

0 comentários:

Postar um comentário