sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Larva devasta plantações no sul de minas



Pelo menos 13 municípios do Sul de Minas estão entre os afetados pela largarta helicoverpa armígera. Nesta semana, o governo de Minas Gerais decretou situação de emergência fitossanitária no estado por conta do ataque do inseto. Além de Minas Gerais, os estados da Bahia, Goiás e Mato Grosso também decretaram situação de emergência. A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) tenta identificar a larva.
O inseto, que à primeira vista parece inofensivo, é capaz de destruir lavouras inteiras de grãos, tomate, milho e algodão. Ela tem causado muito prejuízo pelo país. Os primeiros ataques foram registrados no Brasil no ano pasasdo. O clima tropical facilita a reprodução da praga. Quando a lagarta chega na fase adulta, ela se transforma em mariposa e pode voar por até mil quilômetros, o que facilita a devastação.

Segundo a Embrapa, o que torna essa praga preocupante para os produtores são os seguintes fatores: alto grau de polifagia, atacando várias espécies de interesse econômico; alta capacidade de dispersão dos indivíduos voadores; alta capacidade de reprodução e sobrevivência, potencial de desenvolvimento de resistência a inseticidas e plasticidade ecológica, ou seja, alta capacidade de adaptação a diferentes ambientes, climas e sistemas de cultivo.
Helicoverpa em planta de algodão não destruída em Mato Grosso (Foto: Wanderlei Dias Guerra/Mapa)Helicoverpa em planta de algodão não destruída em Mato Grosso (Foto: Wanderlei Dias Guerra/Mapa)
No Sul de Minas, a área afetada pela Helicoverpa armigera e delimitada na medida compreende os seguintes municípios: Boa EsperançaCarmo da CachoeiraCássiaConceição do Rio Verde,CoqueiralDelfinópolisMinduriSantana da VargemSão Bento AbadeSão Vicente de MinasTrês CoraçõesTrês Pontas.
Mais informações, podem ser obtidas pelo telefone 0800-704-1995.

Helicoverpa pode ter sido implantada no Brasil por concorrentes internacionais



Abin e Polícia Federal estariam investigando suspeita de bioterrorismo


A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e Polícia Federal estariam investigando uma suspeita de bioterrorismo envolvendo a lagartaHelicoverpa armígera. A informação recebida pela repórter doCanal Rural Daniela Castro é de que proeminentes pesquisadores brasileiros já teriam sido questionados por agentes da Abin sobre o assunto.
A suspeita baseia-se em dois fatos: a lagarta apareceu muito recentemente e já causou grandes prejuízos, pois o país não estava preparado para combatê-la; analistas internacionais apontam que até o final desta década o Brasil se tornará o maior produtor mundial de alimentos. A ação de bioterrorismo teria sido feita por competidores estrangeiros.
A lagarta é responsável por um prejuízo de R$ 1,7 bilhão na safra de algodão da Bahia e já foi registrada nas lavouras de soja e algodão de outros 11 Estados. Em maio, o secretário de Agricultura da Bahia (Seagri), Eduardo Salles, já havia falado sobre essa possível investigação de bioterrorismo em um encontro com produtores e secretários de municípios afetados pela infestação da helicoverpa.
Através de sua assessoria de imprensa em Brasília, a Polícia Federal nega que esteja investigando o caso.

0 comentários:

Postar um comentário